Sistemas regenerativos – 5 princípios

Há uma grande necessidade de transformação em torno dos sistemas de produção alimentares para que as metas de sustentabilidade do planeta sejam atingidas. Tais mudanças caminham em conjunto com os princípios de sistemas regenerativos, que possuem o compromisso de melhorar os resultados produtivos, ecológicos e sociais. 
Esse conceito tem sido bastante aceito nos últimos anos em virtude do aumento da conscientização sobre os impactos da ação do homem no planeta e as mudanças climáticas.
As práticas integradas a serem adotadas trazem medidas para aumentar a saúde do solo, sequestrar carbono da atmosfera, manter a qualidade da água, conservar e expandir a biodiversidade e melhorar a qualidade de vida. Por isso, caro produtor, iremos tratar nesse artigo sobre os cinco princípios dos sistemas regenerativos de produção!
sistemas regenerativos

Solo

O primeiro não poderia deixar de ser o solo, a base da produção agropecuária. Ele é cheio de organismos vivos que ajudam a liberar nutrientes que as plantas necessitam para se desenvolver, e precisa ser manejado de forma a manter e restaurar a microbiota a fim de continuar saudável e fértil para as plantas. 
Alguns exemplos de práticas que ajudam esse processo podem ser: cobertura de solo durante o ano todo, para evitar que ele sofra degradação e erosão; manter forragem e material de pastagem; plantio direto para diminuir perturbações; redução de fertilizantes químicos e pesticidas; preservação das raízes vivas das culturas perenes e utilizar espécies arbóreas.

Meio-ambiente

Como segundo princípio dos sistemas regenerativos temos o meio-ambiente, uma vez que suas condições desenham o cenário em que qualquer prática produtiva seja desenvolvida. É importante fazer o reflorestamento de área desmatadas; restaurar as pastagens degradadas; manter a matéria orgânica acumulada no solo para, consequentemente, o sistema se encarregar de sequestrar e armazenar carbono.

Água

Para o princípio número três, podemos evidenciar a água, recurso esse vital para a geração e continuidade da vida. As práticas do sistema regenerativo possibilitam o aumento da percolação e retenção de água no solo, além de melhorar sua qualidade e disponibilidade. 
Diminuir o uso de fertilizantes e defensivos químicos e manejar a matéria orgânica no solo auxiliam nesse processo mantendo a umidade e criando um microclima favorável para o crescimento das culturas. 

Biodiversidade

Partindo para o quarto ponto entre os princípio dos sistemas regenerativos, falaremos sobre a biodiversidade, a qual vem sendo negligenciada nos últimos anos.
Porém, o sistema pautado na regeneração parte de uma natureza retributiva, que visa compensar os danos do passado e dedicar recursos que restaurem esse pilar tão importante para a produção. Isso pode ser feito pela diversificação nas culturas cultivadas; integrar diferentes sistemas de produção em uma mesma área – como por exemplo a agrofloresta, silvipastoreio e agrossilvipastoril; e a rotação ou sucessão de culturas.

Socioeconomia

Por último, mas não menos importante, trataremos do pilar socioeconômico, já que esses sistemas abrangem muito mais do que somente práticas agrícolas.
Uma vez que, para implementar e colocar em prática todos os aspectos da regeneração, é preciso combinar a restauração ecológica com reformas e justiça social para garantir que as pessoas sejam capacitadas para reconstruir e desenvolver estratégias adaptativas baseadas no conhecimento ambiental.

Bioinsumos nos sistemas regenerativos

Nesse contexto, os bioinsumos propiciam o avanço dos sistemas regenerativos de produção, que pretende proteger as áreas produtivas e restaurar os habitats que fornecem os alimentos para toda a população do planeta. 
Esse modelo de produção pode atingir cenários com ganhos para todos os lados: aumentando os lucros na fazenda, entregando alimentos com segurança aos consumidores e melhorando as condições ambientais. O que você está esperando para incorporá-los na sua propriedade?
 
O texto “Sistemas regenerativos – 5 princípios” foi escrito por:
Marcos Fava Neves é Professor Titular (em tempo parcial) das Faculdades de Administração da USP em Ribeirão Preto e da EAESP/FGV em São Paulo, especialista em planejamento estratégico do agronegócio.  
Vinícius Cambaúva é associado na Markestrat Group, formado em Engenharia Agronômica pela FCAV/UNESP e aluno de mestrado na FEA/USP em Ribeirão Preto – SP. 
Beatriz Papa Casagrande é consultora na Markestrat Group, graduada em Engenharia Agronômica pela ESALQ/USP e aluna de mestrado na FEA/USP em Ribeirão Preto – SP. 

Posts Relacionados

Criação de sistemas regenerativos é condição essencial para uma agricultura mais sustentável

Agrivalle apresenta propósito ao mercado e reforça sua contribuição para potencializar novas práticas agrícolas sustentáveis Inspirar a conexão e promover a transição para sistemas regenerativos …

Leia mais →

Congresso Andav 2022

A expectativa por mais uma edição do Congresso Andav já toma conta do mercado. Para a edição 2022, que marca o retorno do evento às …

Leia mais →

O poder da combinação de microrganismos

O impacto positivo do uso de bioinsumos na agricultura é uma realidade no agronegócio brasileiro, que já observa o poder da combinação de microrganismos nos …

Leia mais →