Como reforçar a capacidade de regeneração do solo?

A capacidade de regeneração do solo é um trunfo muito bem aproveitado na agricultura moderna. Em meio a tecnologias de alto nível, ela traduz a importância de compreender as dinâmicas ambientais e seu papel na produtividade no campo.

De fato, nos últimos anos, avançamos significativamente na promoção não só do equilíbrio entre práticas agrícolas e meio ambiente, mas também na união dos dois, explorando diversas situações em que a ação da natureza complementa (ou potencializa) a intervenção humana, e vice versa.

As raízes da capacidade de regeneração do solo

Você sabia que em apenas um grama de solo podemos encontrar até 1 bilhão de células microbianas com cerca de 10 mil espécies diferentes? A importância dessa microbiota no solo é tanta que esses microrganismos constituem um dos fatores que atuam na formação e na regeneração do solo, em conjunto com clima, relevo, material de origem e tempo. 

Essa infinidade de organismos vivos possui funções de extrema importância para sustentar o desenvolvimento vegetal, como por exemplo a degradação de compostos orgânicos, ciclagem de nutrientes, fixação biológica de nitrogênio, auxílio às plantas na absorção de nutrientes e controle biológico de pragas e doenças por meio da produção de compostos que inibem patógenos. 

Além disso, esses componentes microbianos possuem importante papel na estabilização dos agregados do solo, sendo as bactérias e os fungos os principais agentes dessa atividade. Essa fração viva do solo proporciona condições fundamentais para sua funcionalidade, sendo essencial para a manutenção do equilíbrio do planeta com um impacto direto na conservação da biodiversidade e na qualidade de vida da sociedade. 

Dobradinha macro e microambiente

A diversidade desses microrganismos no solo está intimamente relacionada com diversos fatores, sejam eles abióticos como: o clima, temperatura, água, pH, fontes nutricionais, ou bióticos: genética e interação microbiana. É a partir da interação entre esses aspectos que a atividade e a dinâmica populacional de microrganismos no solo é influenciada e que os serviços ecossistêmicos que essa base ambiental nos proporciona são desenvolvidos. Naturalmente, tudo isso ajuda a ditar a capacidade de regeneração do solo.

Diante das atribuições tão essenciais que o solo e os microrganismos que nele vivem empenham na continuidade da vida, a consciência sobre a importância da sua conservação e restauração se torna primordial nos dias de hoje. Os problemas ambientais ligados à degradação do solo como a erosão, assoreamento de rios, desertificação, intemperismo e poluição precisam ser colocados em evidência.

Suporte para  regeneração do solo

O desenvolvimento de práticas e condutas que valorizem os princípios da sustentabilidade e a regeneração dos habitats devem ser reconstruídos. Diante dessa visão, a incorporação de bioinsumos aparece como pilar para reforçar a capacidade da atividade microbiana do solo, uma vez que esses microrganismos benéficos podem sustentar o sistema de produção de forma integrada e controlar com eficiência os problemas que são ocasionados pelos sistemas intensivos. 

Através do conceito de vida gerando vida, podemos desenvolver um manejo sustentável, produtivo e ir além da preservação, oferecendo ao patrimônio mais importante do ecossistema – o solo – a capacidade de restauração do que já foi consumido em processos anteriores. Os sistemas regenerativos representam essa mudança de paradigma na forma em que enxergamos a produção agrícola atualmente, em linha com o que as gerações futuras almejam para uma melhor qualidade de vida. Vamos juntos fazer parte dessa transformação?

 

O texto Como reforçar a capacidade de regeneração do solo? foi escrito por:

Marcos Fava Neves é Professor Titular (em tempo parcial) das Faculdades de Administração da USP em Ribeirão Preto e da EAESP/FGV em São Paulo, especialista em planejamento estratégico do agronegócio.  

Vinícius Cambaúva é associado na Markestrat Group, formado em Engenharia Agronômica pela FCAV/UNESP e aluno de mestrado na FEA/USP em Ribeirão Preto – SP. 

Beatriz Papa Casagrande é consultora na Markestrat Group, graduada em Engenharia Agronômica pela ESALQ/USP e aluna de mestrado na FEA/USP em Ribeirão Preto – SP. 

Posts Relacionados

Agrivalle e Ginkgo Bioworks firmam parceria estratégica plurianual para acelerar produtos biológicos agrícolas de última geração.

BRASIL e BOSTON, Massachusetts – 20 de novembro de 2023 – Agrivalle, empresa brasileira líder em produtos biológicos agrícolas, anunciou hoje uma nova parceria com …

Leia mais →

Sustentabilidade do planeta e da agricultura – uma via de mão dupla

Nos últimos anos, a sustentabilidade do planeta se transformou em uma das principais pautas no agronegócio em todo o mundo. O tema passou a ser …

Leia mais →

Os bioinsumos no futuro da agricultura

Os insumos biológicos desempenham um papel determinante no futuro da agricultura, pois oferecem uma alternativa sustentável aos fertilizantes químicos e pesticidas convencionais. Este diferencial pode …

Leia mais →