Ciclo da cana-de-açúcar – melhores dicas de produtividade

Para a economia brasileira, o ciclo da cana-de-açúcar é estratégico, afinal ele tem reflexos em atividades que vão muito além do agronegócio. Açúcar, bioplástico, levedura, biocombustível, bioeletricidade – todos têm origem nas lavouras espalhadas pelo país, de onde saem para fazer a roda girar na indústria alimentícia, na de transporte etc.

Com dimensões continentais, o Brasil tem dois períodos de safra. Um deles ocorre no centro-sul do país, começando em abril e terminando em novembro. O outro vai de setembro a março e acontece no norte-nordeste. 

Sem dúvida, essa vantagem tem parte considerável em nossa liderança mundial na produção de cana, mas há outros fatores que contribuem com isso.

O ciclo da cana-de-açúcar resulta em rendimentos bem elevados, apesar de perdas comumente registradas, especialmente na colheita. Para que elas não gerem grandes prejuízos, planejamento é crucial, bem como acompanhamento para garantir uma operação precisa. Aí está mais um fator que contribui com a liderança brasileira na produção de cana.

Os cultivadores que atuam no Brasil têm perfil estratégico. Focados na produtividade, eles abraçam inovações que tragam melhorias para a lavoura e seguem algumas práticas que garantem resultados positivos. 

Planejamento

Planejamento é a chave de qualquer negócio, inclusive na agroindústria e no ciclo da cana-de-açúcar. Aqui, salientamos dois aspectos fundamentais e que podem repercutir na qualidade da colheita. 

O primeiro é mais simples e fácil de controlar. Estamos falando das variedades de cana presentes no canavial. Como cada uma delas tem características particulares, o produtor precisa considerá-las na hora de planejar cada etapa da operação. Afinal, tais particularidades definem questões como demanda por água, tipo de nutrientes ideais, época da colheita etc.

O segundo aspecto essencial no planejamento do ciclo de cana-de-açúcar refere-se ao clima. Sem dúvida, trata-se de uma questão cada vez mais imprevisível, embora já possamos encontrar no mercado soluções tecnológicas que auxiliam nesse desafio. 

Tecnologia a favor do ciclo da cana-de-açúcar

Quando falamos em tecnologia, o desenvolvimento de soluções para a agricultura se destaca. De máquinas a insumos, passando por ferramentas que monitoram a plantação e traduzem eventos em dados, o produtor pode contar com recursos quase ilimitados para dar suporte a decisões.

No entanto, é preciso ter foco para buscar aquelas mais significativas para o tipo de cultivo em questão. No caso do ciclo da cana-de-açúcar, o maquinário sempre entra em pauta nas discussões sobre o tema. De fato, as máquinas utilizadas na condução da lavoura, especialmente na colheita, têm papel estratégico na cultura de cana, mas não estão sozinhas. 

Os avanços da biotecnologia têm contribuído bastante com o ciclo de cana-de-açúcar. Do combate a pragas ao incremento da biomassa, a ação de bioinsumos vem sendo aliada da produtividade de canaviais em todo o mundo. 

Preparando a área de plantio

Com o planejamento em ordem e sabendo com quais recursos tecnológicos você conta, é hora de iniciar a parte prática do ciclo da cana-de-açúcar, que começa com a preparação da área de plantio.

Nesse sentido, os aspectos nutricionais da terra e da espécie de cana a ser cultivada serão trabalhados, adequando o solo da melhor forma. Aqui, a biotecnologia pode aprimorar alguns processos naturais, restabelecendo relações entre microrganismos que compõem a biota

Em paralelo, a aração e a gradagem merecem atenção máxima. O mesmo vale para o cultivo da soca, por mais que exija outros tipos de cuidado, principalmente no que tange à adubação em cobertura. 

Por fim, todas as precauções precisam ser tomadas com foco na germinação. Ela precisa ocorrer da melhor maneira para que possamos garantir que a touceira seja forte e produtiva. Da mesma forma, na cana instalada, queremos soqueiras com perfeitas condições de restabelecimento, capazes de trazer alta produtividade.

Espaçamento

Um dos aspectos técnicos mais determinantes do manejo na cultura de cana é o espaçamento entre as plantas no talhão. Ele afeta diretamente a produtividade, já que é responsável pela forma como cada linha do canavial recebe luz, água e nutrientes

Acontece que a fisiologia do vegetal depende disso para chegar às condições ideais para gerar mais açúcar. Portanto, o rendimento da cana moída varia de acordo com a espécie plantada e com o espaçamento adotado.

Em paralelo, a distância entre as plantas nos canavial precisa ser adequada às máquinas que o produtor usa para conduzir a lavoura, em especial no momento da colheita.

Respeito ao tempo

O tempo é a maior autoridade no ciclo da cana-de-açúcar, só que ele não segue o calendário gregoriano. Por isso, o refratômetro é um aliado indispensável para o produtor de cana.

Esse é o tipo de cultura em que há um momento bem específico para a colheita, e ele é definido pelo teor de açúcar da planta. Colher antes ou depois do ponto ideal ser atingido afeta a produtividade da área de cultivo. Por isso, o produtor usa o refratômetro para checar  amostras do colmo e verificar o índice de maturação.

Ciclo de vida

A colheita de uma safra de cana marca o início da preparação para a próxima. Nessa cultura, o trato do solo é ininterrupto, e o equilíbrio da biota é uma jornada contínua. Nela, o produtor conta com o comprometimento da Agrivalle.

Nossa contribuição vem na forma de bioinsumos que, mesmo no controle de uma praga específica, considera o solo e suas necessidades, sempre prezando por uma relação saudável com todas as formas de vida que compõem a biota. Dessa forma, reduzimos o estresse da terra, viabilizando o prolongamento da vida útil da área de cultivo. 

Entre nossos bioinsumos, alguns foram pensados especificamente para o ciclo da cana-de-açúcar e a terra que o recebe, de modo que podem colaborar com sua produtividade de maneira quase customizada. Conheça alguns:

Profix – nematicida biológico com amplo espectro de ação por contar com três microrganismos diferentes em sua fórmula – Bacillus subtilis e Bacillus licheniformis (bactérias) e Paecilomyces lilacinus (fungo). Com isso, ele atua de diferentes modos, sendo eficaz em controlar os nematóides em diversas fases de desenvolvimento.

Shocker – fungicida biológico à base de duas bactérias e um fungo, resultado de anos de pesquisa para o controle de duas doenças de grande ocorrência nos solos agricultáveis: Podridão-radicular e Mofo-branco.

Twixx – biofungicida multissítio que associa duas bactérias com modos de ação distintos e complementares. A dupla age no controle de a doenças foliares, tais como antracnoses, mancha alvo e mancha branca, contribuindo com a produtividade a cada ciclo da cana-de-açúcar.

Implanta – tecnologia multifuncional capaz de criar uma rede de Sinalizadores Fisiológicos de Enraizamento (SFE). Para isso, conta com nutrientes indispensáveis e substâncias orgânicas. O resultado é a promoção de um rápido estabelecimento da cultura e, consequentemente, maior aproveitamento de água, luz e demais recursos naturais. 

 

Posts Relacionados

Agrivalle e Ginkgo Bioworks firmam parceria estratégica plurianual para acelerar produtos biológicos agrícolas de última geração.

BRASIL e BOSTON, Massachusetts – 20 de novembro de 2023 – Agrivalle, empresa brasileira líder em produtos biológicos agrícolas, anunciou hoje uma nova parceria com …

Leia mais →

Sustentabilidade do planeta e da agricultura – uma via de mão dupla

Nos últimos anos, a sustentabilidade do planeta se transformou em uma das principais pautas no agronegócio em todo o mundo. O tema passou a ser …

Leia mais →

Os bioinsumos no futuro da agricultura

Os insumos biológicos desempenham um papel determinante no futuro da agricultura, pois oferecem uma alternativa sustentável aos fertilizantes químicos e pesticidas convencionais. Este diferencial pode …

Leia mais →